Para o Instituto Fonte, os processos avaliativos ajudam grupos a construir capacidade de aprender com sua prática e com os impactos da sua atuação. Por essa compreensão, geralmente é fundamental desenvolver avaliações participativas que envolvam diversos atores nesses processos. Cada caso pode demandar métodos e estratégias de avaliação com diferentes níveis de complexidade.

 

Depoimento

“A percepção sobre a necessidade e a importância dos processos avaliativos nasceu e foi crescendo dentro da Fundação Telefônica, à medida que avançamos em nossos investimentos sociais.

 

Perguntas e inquietudes de nossos conselheiros, de colaboradores da empresa, de parceiros e da própria equipe da Fundação, contribuíram para nossa conscientização de como o monitoramento e a avaliação dos programas e projetos são essenciais para o avanço e aperfeiçoamento dos mesmos.

 

O Instituto Fonte teve um grande papel em todo este processo. Parceiro da Fundação desde sua constituição, o IF tem sido procurado por nossa equipe para apoiar em temas relacionados como planejamento estratégico, monitoramento, capacitação de pessoas e avaliação de programas e projetos.

 

As reflexões e a forma estruturada e participativa de trabalho, propostas pelo IF, levam as equipes envolvidas, independentemente da natureza do trabalho realizado, a fazerem avaliações e aprenderem a partir de suas próprias práticas.

Estes processos, desenvolvidos em parceria com o Instituto Fonte, tem sido oportunidades de reflexão e avaliação que contribuem muito com o desenvolvimento da Fundação Telefonica e das organizações apoiadas por nós.”  Gabriella Bighetti, presidente da Fundação Telefônica