Artistas do Invisível é um programa de formação inspirado em Goethe, que busca ampliar a consciência dos profissionais que atuam no campo do desenvolvimento, de forma que possam atuar no processo social (e pessoal) com base no pensamento orgânico e uma prática de profunda sensibilidade social.

A turma atual do programa teve início novembro de 2016 e segue até 2019. 

Dentre as questões geradoras do programa:

  • Como podemos nos conectar com o que é vivo nos processos?
  • Como podemos desenvolver respeito por aquilo que está ainda em estado de vir-a-ser?
  • Como podemos desenvolver nossa capacidade de perceber?

A iniciativa, com duração de três anos, é uma colaboração entre Instituto Fonte e Proteus Initiative (instituição voltada para o desenvolvimento social com sede na África do Sul).

Sobre o programa

Muitas vezes parecemos cercados por um mundo de tamanha complexidade e contradição que uma sensação de aflição pode se infiltrar nas nossas relações, na nossa participação e nas nossas intervenções sociais. Aí então podemos nos desmobilizar ou ainda sucumbir a um modo gerencial de atuar.

Há mais de dois séculos, o filósofo alemão Goethe desenvolveu uma abordagem, uma compreensão, um método, para ver por entre as profundezas do mundo vivo, para adaptar nosso pensamento como um órgão de percepção da vida. Essa sensibilidade permeou o trabalho de muitas pessoas que buscavam uma relação viva com o mundo orgânico do qual somos parte. Mas até hoje, essa abordagem e sensibilidade esteve focada principalmente na natureza (e resulta em uma prática ecológica profunda). Aos poucos e atualmente, a abordagem goetheana tem sido aplicada no campo social.

Em Artistas do Invisível, propomos a fazer uma série de atividades inter-relacionadas de tal forma a desenvolver o tipo de consciência que estamos buscando. Uma dessas atividades é a da compreensão sobre vida, sobre desenvolvimento, sobre processo, sobre polaridade, etc. Outra é a prática de métodos, de exercícios, de meditações, de observação, de descrição. Uma terceira é o engajamento, tradução e aplicação em processos de autodesenvolvimento e na facilitação de processos alheios. A quarta é a escrita e a articulação - de forma a revelar aquilo que os insights podem intuir, aquilo que a imaginação pode testemunhar, aquilo que a inspiração pode encorajar.

Públicos do programa

O Artistas do Invisível consiste em um processo longo e profundo, dedicado aos “profissionais de desenvolvimento”, das mais diversas áreas de atuação e que estão interessados em buscar – e também construir colaborativamente – a arte da atuação e intervenção social, a partir de uma perspectiva mais humana e orgânica.

Histórico e cronograma atual

A primeira edição do Artistas do Invisível aconteceu em 2009-2011, em São Paulo, com a presença de 16 participantes. Foi facilitado por Allan Kaplan e co-facilitado por Flora Lovato.

A segunda turma do programa de formação começou em abril de 2013. O programa consiste em períodos de aprendizado grupal e de prática individual. Ainda há atividades que devem ser desenvolvidas entre os módulos e demandam que os participantes tenham, de fato, uma prática social à qual possam se referir e com a qual possam aprender.

Para essa turma estão previstos 6 sessões/módulos (de imersão e contínuos) de 7 dias cada. As datas serão acordadas entre o grupo de participantes e os facilitadores.

Módulo 1: sete dias, de 24 a 30 de novembro de 2016.

Módulo 2: sete dias, em abril de 2017, em datas a serem definidas.

Módulo 3: sete dias, em outubro/novembro de 2017, em datas a serem definidas.

Módulo 4: sete dias, em abril de 2018, em datas a serem definidas.

Módulo 5: sete dias, em outubro/novembro de 2018, em datas a serem definidas.

Módulo 6: sete dias, em abril de 2019, em datas a serem definidas.

Investimento

O programa custa, a princípio, R$27.000,00 por participante (mínimo de 20 participantes, máximo de 26). Esse valor pode ser pago em parcelas, por módulo, ou ainda mensalmente, conforme termo de compromisso que explicita os acordos e sua responsabilidade. Os acordos financeiros são parte do engajamento com o programa e serão acompanhados por todo o grupo.
 

Quer saber mais sobre o formato do programa, conteúdo programático? Ler depoimentos de quem participou? Acesse aqui o folder com mais detalhes. 

Inscrições abertas!

Acesse aqui o formulário online de inscrição.  Vale lembrar que consideramos a ordem de recebimento como prioridade na participação.

Coordenação
A edição atual do programa é coordenada por Allan Kaplan, Tião Guerra e Ana Biglione.


Allan Kaplan: facilitador. Allan é profissional de desenvolvimento, professor e escritor. Ele é autor de Artistas do Invisível (Ed. Peirópolis), The Development Practitioner’s Handbook (Pluto Press) e The Developing of Capacity (disponível no site do Proteus Initiative) entre outros. Seu trabalho busca concretizar os efeitos da participação verdadeira em processos, da complexidade socioecológica e da emergência da consciência - que sustentam a liberdade e a responsabilidades como polaridades geradoras da busca do todo. Ele fundou e trabalhou mais de 15 anos no CDRA, na África do Sul e também estabeleceu o Proteus Initiative eTowerland Wilderness, como forma de fomentar essa prática.

 

Flora Lovato: co-facilitatora e coordenadora. Flora é membro da Diretoria Colegiada do Instituto Fonte (gestão 2015-2016), consultora e facilitadora de processos, associada ao Instituto Fonte desde 1989. Integrou a diretoria da organização de 1989 a 2007. É graduada em Comunicação Social pelo Instituto Metodista de Ensino Superior, escola em que realizou também seus estudos de pós-graduação. Foi gerente geral da Fundação Iochpe por cinco anos e há 16 vem trabalhando em processos de desenvolvimento junto a diferentes iniciativas sociais. Co-facilitou programas de formação tais como Artistas do Invisível e Profides: Profissão Desenvolvimento, programa voltado ao desenvolvimento da prática de intervenção no desenvolvimento social realizado pelo Instituto Fonte. Coordenou diferentes publicações, entre elas os sete títulos da Coleção Gestão e Sustentabilidade, editada pela Editora Global e Instituto Fonte em 2001. É fellow da Fundação Kellogg, do BoardSource e do CDRA (Community Development Resource Association), organização junto à qual cursou o Fellowship Programme, programa avançado com foco em intervenção social.

 

Ana Biglione: co-facilitadora e coordenadora. Ana é profissional de desenvolvimento, assessora, facilita e desenvolve processos organizacionais e espaços de reflexão sobre a prática e de aprendizagem para organizações, grupos e indivíduos do campo da transformação social, com base na abordagem goetheana de desenvolvimento. Desde 2003 nesse campo, sua atuação entende que o processo de reflexão e tomada de consciência é parte fundamental da construção de uma prática viva, complexa e humana que vai além dos paradigmas atuais de dualidade e controle. Uma das fundadoras da Noetá, atua em rede com o Instituto Fonte e Proteus Initiative, entre outros. É conselheira do Impact Hub São Paulo e do Instituto JCA, foi participante da primeira edição do Programa Artistas do Invisível, e da coordenação da segunda edição.

 


Depoimentos de participantes

“Para mim, o programa continua sendo uma intensa jornada para alinhavar a prática profissional à vida pessoal de tal maneira que a costura, invisível, exibindo a coerência das escolhas diárias que fazemos para nos tornarmos artistas no desenvolvimento de pessoas.”

“O programa foi uma experiência enriquecedora na medida em que amplia minha capacidade de observar contextos sociais e "perceber o invisível", o que melhorou minha capacidade de diagnosticar situações sem pré-julgamentos e que reforçou minha crença na importância de trabalhar com o que emerge das situações sociais, incentivando o próprio grupo a buscar e construir soluções para suas necessidades ou dificuldades, ao invés de oferecer modelos prontos.